sábado, março 25, 2017

Nota de repúdio OAB contra o superintende de Polícia Civil do Tapajós, delegado Vicente Gomes



Liminar suspende embargo do Ibama a frigoríficos da JBS no Pará

Liminar suspende embargo do Ibama a frigoríficos da JBS no Pará (Foto: Reprodução)Uma liminar da Justiça Federal suspendeu nesta sexta (24) o embargo pelo Ibama a dois frigoríficos da JBS no Pará.

Segundo o órgão ambiental, a empresa teria adquirido gado de propriedades rurais embargadas por desmatamento ilegal, descumprindo o Termo de Ajuste de Conduta firmado com o Ministério Público Federal. Outras 13 empresas também foram alvo da ação, batizada de Carne Fria.

De acordo com o juiz Heitor Moura Gomes, da 2ª Vara da Subseção Judiciária de Marabá (PA), essa premissa do órgão ambiental para realizar o embargo foi equivocada uma vez que o gado comprado de forma irregular teria sido uma exceção nas atividades da empresa.

"A autuação fiscal do Ibama se fundou, no caso da empresa JBS S/A, em aparente irregularidade na compra de gado de áreas embargadas, quase 20 mil cabeças, enquanto o quantitativo de abate desde 2012 até o corrente ano fica próximo de 2 milhões de cabeças de gado", escreveu o juiz em sua decisão.

A investigação identificou a venda de 58 mil cabeças de gado (90% compradas pela JBS) vindas de 50,7 mil hectares embargados em território paraense, o equivalente a 229 Parques Ibirapuera. Essas áreas, segundo o Ibama, estão identificadas e disponíveis na internet para consulta pública.

Para o juiz, a JBS mostrou que fazia controle rigoroso da origem dos animais que comprava por meio de empresa independente de auditoria especializada, que bloqueava automaticamente negócios com fazendas que constassem na lista do Ibama.

Com a decisão, os frigoríficos de Santana do Araguaia e Redenção podem voltar a funcionar.

Em nota, a JBS disse que "não comprou animais de áreas embargadas pelo Ibama e vem cumprindo integralmente o TAC assinado com o Ministério Público Federal".

A empresa também afirmou que "seleciona 100% dos fornecedores com base em critérios socioambientais" e que "não adquire animais de fazendas envolvidas com desmatamento de florestas nativas, invasões de terras indígenas ou de conservação ambiental e que estejam embargadas pelo Ibama."


Fonte: FolhaPress

sexta-feira, março 24, 2017

Itaituba foi às ruas contra a violência

Uma grande manifestação aconteceu no final da tarde de hoje, em Itaituba, contra a violência que tem assustado a população do município, mas, de modo mais direto, na cidade.

A violência tem sido citada como a principal preocupação do itaitubense, e não é de longe, pois tem crescido, em descompasso com a melhora na qualidade dos serviços de segurança público, que só fazer piorar.

Tendo à frente o Fórum de Entidades, com apoio de muitas entidades, lideranças comunitárias, profissionais liberais, empresários, funcionários públicos e servidores da iniciativa privada, além da grande participação população, o povo foi às ruas para mandar um recado direto para as autoridades responsáveis pela segurança público.

O recado foi mais direto ao governador Simão Jatene, posto que é do Estado a responsabilidade por esse setor, embora não seja um problema apena do ente estadual, mas, de toda a comunidade.

Às cinco horas da tarde, já com um número bastante expressivo de participantes, a manifestação saiu da Praça do Cidadão, descendo pela Travessa João Pessoa, dobrando na Travessa 13 de Maio, pegando a Rua Hugo de Mendonça para finalizar na frente do Fórum local.

Algumas lideranças, como o presidente da CDL e do Fórum de Entidades, empresário Patrick Sousa, se pronunciaram no encerramento da manifestação, que foi acompanhada um grande número de motos e veículos.

A presidente da subseção local da OAB, advogada Cristina Bueno, acompanhou desde e o começo e participou ativamente, se manifestando por mais de uma vez.

O comércio fechou quase, como havia sido solicitado.

Esse movimento não deve parar por aí, pois se não tiver continuidade, toda essa movimentação será logo esquecida, porque o governo vai se fazer mais uma vez de surdo.

As lideranças estão cobrando uma participação mais agressiva dos seus representantes em nível estadual, no caso, os deputados estaduais Hilton Aguiar e Eraldo Pimenta, e também do deputado Chapadinha, que é da base do governo do Estado, em Brasília.

Patrick e Cristina estarão amanhã, sábado, no programa O Assunto é Este, na Alternativa FM, a partir de dez horas da manhã.


O blog do Jota Parente e o Jornal do Comércio acompanharam toda a manifestação, registrando tudo em fotos.

Fotos: Jota Parente















quinta-feira, março 23, 2017

Ministro acata pedido de Jader e cancela operação e suspende operação do IBAMA no sul do Pará

O ministro do Meio Ambiente, Zequinha Sarney, disse ontem ao senador Jader Barbalho (PMDB) que não foi informado sobre a operação realizada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) no sul do Pará. A operação embargou diversos frigoríficos na região causando pânico à população e aos produtores. O ministro atendeu ao apelo do senador e determinou a imediata suspensão da operação do Ibama. Zequinha Sarney lamentou os transtornos causados à população do sul do Pará e reforçou que não era o momento de se realizar tal ação, classificada por Jader Barbalho como uma “violência contra os produtores do Pará”.

Após ser informado sobre a suspensão, o senador Jader Barbalho telefonou para o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Pará (Faepa), Carlos Xavier, informando sobre a decisão do ministro. Xavier agradeceu o empenho do senador e disse que estaria informando aos demais dirigentes da Faepa e aos segmentos interessados. Segundo a Faepa, o efetivo bovino do Estado vem crescendo acima da média nacional nos últimos anos, com aumento de mais de 43% face aos 8% registrados pelo restante do país, com concentração localizada exatamente no sul do Pará.
“O momento é de muita fragilidade da economia brasileira, de muita seriedade. São milhares de empregos que estão em risco num único setor, que tem efetivamente apresentado respostas positivas para o país”, alertou Jader Barbalho, em conversa com o ministro.

TEMOR
O senador recebeu um apelo de representantes da indústria da carne, sindicatos rurais, empresários, pecuaristas e produtores rurais da região, que solicitaram ao deputado federal Beto Salame (PP-PA), que levasse ao senador o temor de toda uma cadeia produtiva. Jader Barbalho ligou para o ministro do Meio Ambiente após receber Beto Salame em seu gabinete, em Brasília. “Os prejuízos causados pela crise da carne são enormes em um país onde já existem mais de 13 milhões de desempregados”, lembrou o senador, na conversa.


Em resposta ao senador, o ministro do Meio Ambiente pediu “desculpas” à população paraense. “Não era o momento oportuno. Não era o momento adequado para essa operação. O Ibama faz parte do Ministério do Meio Ambiente mas, lamentavelmente não fui informado sobre essa operação”, disse.

quarta-feira, março 22, 2017

Belloni quer criar lei que obrigue o Executivo a só asfaltar ruas depois de fazer galerias e meio-fio

O vereador José Belloni (foto) disse na tribuna da Câmara, que entende que uma via só deve receber camada asfáltica depois implantação de galerias e meio-fio.

Nesse sentido, ele apresentou o Projeto de Lei 08/2017, o qual se for aprovado e se for sancionado pelo prefeito Valmir Climaco, fará com que só deva ser asfaltada rua que já tenha galerias e meio-fio.

A intenção do vereador é boa, mas, de difícil execução, pois mal o Executivo consegue recurso para pavimentação.

Não é tão simples assim fazer isso acontecer.

Algumas perguntas que precisam ser respondidas:

1. Para onde irão as águas pluviais dessas galerias?

2. De onde virão os recursos para fazer as galerias, pois esse é um serviço caro?

Além disso, há de se ter o cuidado de nem aventar a possibilidade desse imenso volume de água não ser direcionado para o rio Tapajós.

É boa a intenção, mas, de difícil execução.

Nas conversas que o blog teve com alguns vereadores, ficou evidente que Belloni será aconselhado a não dar andamento em seu projeto, pois o mesmo pode ser barrado já na Comissão de Legislação, Justiça e Redação Final.

Se passar, chegará natimorto ao plenário para votação, sem chance alguma de ser aprovado.

Caso seja aprovado na comissão e no plenário, certamente será vetado pelo prefeito Valmir Climaco, porque se fosse sancionado, o prefeito estaria oficializando uma lei que complicaria sua vida, pois não poderia mais asfaltar nenhuma rua que não obedecesse aos ditames da mesma.

Então, o certo é que não deverá prosperar essa matéria.

Comandante da PM reuniu com vereadores

O coronel Roberto Campos, comandante geral de Polícia Militar do Pará, que visitou Itaituba, ontem, esteve reunido com alguns vereadores de Itaituba.

O coronel ouviu muitas reclamações dos existe a respeito dos problemas que o município enfrenta quanto à precariedade do serviço que a PM vem fazendo.

Falta de policiamento nas ruas, ausência de uma melhor infraestrutura para o 13o. BPM foram alguns dos tópicos tratados.

Na sessão da Câmara, hoje, o vereador Peninha informou que a PM em Itaituba vai receber mais três viaturas o que vai melhorar um pouco essa  situação. Mas, isso está longe de resolver os problemas.

Barreiras continua desmoronando

Vila de Barreiras (Itaituba-PA), final de tarde
Barreiras - Foto: Jota Parente
A cada inverno a situação do desmoronamento dá frente da vila de Barreiras só faz piorar.

Não é só no inverno, mas, nesse período a situação piora.

Ontem o vereador Peninha tratou do assunto, na sessão da Câmara, mostrando algumas imagens.

Algumas casas da frente da vila estão a apenas dez metros da beira do rio e os moradores temem que tenham que se mudar por conta disso.

Peninha falou que é urgente providenciar um muro de contenção.

Como o município tem dificuldade de recursos para executar uma obra desse porte, disse o edil, deve ser solicitado ao ministro do interior, Hélder Barbalho, para que sejam alocados recursos de seu ministério para fazer o trabalho.

Só não pode ficar piorando ano pós ano.

terça-feira, março 21, 2017

Ministro Gilmar Mendes acusa Procuradoria e Polícia Federal por vazamentos

BRASÍLIA, DF, BRASIL, 28.08.2015. Sessão de julgamento do Tribunal Superior Eleitoral onde se aprecia o encaminhamento do ministro Gilmar Mendes que aponta indícios na contas de Dilma Rousseff. Ministro Gilmar Mendes fala na reunião.(FOTO Alan Marques/ Folhapress) PODER
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), criticou nesta terça-feira (21) a Procuradoria-Geral da República e a Polícia Federal por terem supostamente vazado informações das operações Lava Jato e Carne Fraca.

Segundo Mendes, a divulgação de dados sob sigilo é uma "forma de chantagem implícita ou explícita". "É uma desmoralização da autoridade pública", disse.

Ele mencionou a coluna do último domingo (19) da ombudsman da Folha de S.Paulo, Paula Cesarino Costa, que tratou dos pedidos de abertura de inquéritos feitos pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao STF. Segundo ela, a divulgação do material se deu pelo que chamou de "entrevista coletiva em off" - sem identificação da fonte - da Procuradoria a veículos de imprensa.

Ela menciona telejornais, rádios, portais de internet, a Folha de S.Paulo e os jornais "O Estado de S. Paulo", "O Globo" e "Valor". "Cheguei a propor no final do ano passado o descarte do material vazado, uma espécie de contaminação de provas colhidas licitamente e divulgadas ilicitamente e acho que nós devemos considerar esse aspecto", afirmou. "A novidade trazida pela publicação da ombudsman está na divulgação de um novo instrumento de relacionamento com a imprensa, a entrevista coletiva em off", ressaltou Mendes.

De acordo com ele, "a imprensa parece acomodada com esse acordo de traslado de informações". O ministro disse que a PGR deve explicações ao STF. "As investigações devem por objetivo produzir provas, não entreter a opinião pública ou demonstrar autoridade", disse. E afirmou:

"Quem não tiver essa noção de que não estão em jogo os personagens que hoje ocupam as funções, mas as instituições, é um irresponsável. Não é digno de ocupar os cargos que porventura está a ocupar".

Segundo o ministro, o vazamento de informações sob sigilo é "eufemismo para um crime".

Presente à sessão, a subprocuradora da República Ela Wiecko afirmou que o discurso de Mendes expõe "defeitos em todas as instituições". "A sua fala se centrou muito na Procuradoria-Geral da República, no procurador-geral, não vou contestar, não sei detalhes desta suposta entrevista coletiva em off", disse. "Uma coisa que me chama muito a atenção é o poder da mídia.

Aqui no caso a ombudsman da Folha inclusive critica o próprio jornal. E é isso que vejo: a mídia estabelece o momento, eles fazem investigação, sim, ministro, têm acesso, não sei como, mas eles têm muitas informações e estabelecem o momento em que colocam essas notícias a público", disse.

Segundo ela, o princípio da legalidade deve ser respeitado.

Mendes então rebateu: "A mídia não estaria divulgando nomes se esses nomes não tivessem sido fornecidos. É muito claro, não vou acreditar que a mídia teve acesso a partir de uma sessão espírita, isso parece ser evidente". "Não tenho dúvidas de que aqui está narrado um crime. A Procuradoria não está acima da lei", disse o ministro.

Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa da PGR disse que o órgão não vai se manifestar. No contexto de sua fala, feita em sessão da 2ª Turma, da qual faz parte, Mendes criticou a divulgação do nome do ministro da Justiça, Osmar Serraglio (PMDB), flagrado em uma interceptação na Operação Carne Fraca.

"É claro que isso tem um propósito destrutivo como acabam de fazer com o ministro da Justiça ao dizer que ele fez um telefonema para uma autoridade envolvida nessae escândalos", disse.

"Um delegado decide fazer uma operação, a maior já realizada no Brasil, para investigar a situação de carnes e anuncia que estaríamos comendo carne podre e que o Brasil estava exportando para o mundo carne viciada.

Por que ele fez isso? Porque num quadro de debilidade da política, não há mais anteparo, perderam os freios, não há mais freios e contrapesos", afirmou Mendes.

O ministro Dias Toffoli adotou discurso parecido. Segundo ele, o Judiciário deve evitar o que classificou de "pirotecnia" em relação à ação da PF no caso das carnes. "Sem contraditório e sem ampla defesa, estão colocando pessoas e setores da economia inteiros sob suspeita", disse.


"Se todos comêssemos carne podre não estaríamos em sessão, mas no hospital", disse. A PF ainda não se manifestou sobre as declarações dos ministros.

Esse é o preço que pagamos

Não sei porque razão, um comentário feito pelo leitor e amigo Jorge Luiz Machado, enviado há alguns dias, só chegou hoje. Como nos afeta a todos, pois diz respeito à economia da região, acho que ainda cabe divulgá-lo.

Ele comentou matéria sobre a note: 

Milhões de dólares do projeto da Brasauro podem ir pelo ralo


Leitores que desejarem enviar seus comentários, podem fazê-lo, pois teremos o maior prazer em divulgá-los.
-------------------------------------------
 
Esse é o preço que pagamos pela ineficiência política de nosso Brasil. Senhores políticos, não são animais que moram no Oeste Paraense, e sim famílias trazidas pelo governo Federal desde a década de 70. 

Jorge Luiz Machado

Xadrez da Carne Fraca no Estado de Exceção

Este é o delegado Maurício Moscardi Grillo.
É jovem, passou no concurso da Polícia Federal e é delegado há apenas cinco anos. E destoa dos colegas por dois pontos relevantes.
Primeiro, pelo exibicionismo.
Ao contrário dos procuradores da Lava Jato, a PF sempre primou pela discrição. Grillo gosta dos holofotes, é boquirroto (que ou quem não consegue guardar segredos; indiscreto, boca-rota), e cultiva frases de efeito, que possam repercutir na mídia.
Segundo, porque é um empreendedor de sucesso.

Em 2015 inaugurou o San Marino Residence Hotel, em sua cidade, Bauru, mostrando uma desejável preocupação em garantir o futuro. É um prédio de quatro andares, de propriedade de uma empresa dele e da esposa, com capital social registrado de R$ 100 mil.

Fonte:Jornal GGN

Carne Fraca prova que o Brasil emburreceu

A Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, traz uma comprovação básica: o nível de emburrecimento nacional é invencível. O senso comum definitivamente se impôs nas discussões públicas. E não se trata apenas da atoarda que vem do Twitter e das redes sociais. O assustador é que órgãos centrais da República – como o Ministério Público, a Polícia Federal, o Judiciário – tornaram-se reféns do primarismo analítico.
Como é possível que concursos disputadíssimos tenham resultado em corporações tão obtusamente desinformadas, a ponto de não ter a menor sensibilidade para o chamado interesse nacional. Não estou julgando individualmente delegados ou procuradores. Conheço alguns de alto nível. Me refiro ao comportamento dessas forças enquanto corporação.
Tome-se o caso da Operação Carne Fraca.
A denúncia chegou há dois anos na ABIN (Agência Brasileira de Inteligência). O delator informou que a Secretaria de Vigilância Sanitária no Paraná tinha sido loteada para o PMDB. Levantaram-se provas de ilícitos em alguns frigoríficos.
Por outro lado, há uma guerra fitossanitária em nível global, em torno das exportações de alimentos. Se os delegados da Carne Seca não fossem tão obtusos, avaliariam as consequências desse bate-bumbo e tratariam de atuar reservadamente, desmantelando a quadrilha, prendendo os culpados.
Mas, não. O bate-bumbo criou uma enorme vulnerabilidade para toda a carne exportada pelo país. Os anos de esforços gerais para livrar o país da aftosa, conquistar novos mercados, abrir espaço para as exportações ficaram comprometidos pelo exibicionismo irresponsável desse pessoal.
Ou seja, havia duas formas de se atingir os mesmos resultados:
1º - Uma investigação rápida, discreta e sigilosa; 2º - O bate-bumbo de criar a maior operação da história, afim de satisfazer os jogos de poder interno da PF.
As duas levariam ao mesmo resultado e a primeira impediria o país de ter prejuízos gigantescos, que pudessem afetar a vida de milhares de fornecedores, o emprego de milhares de trabalhadores, a receita fiscal dos impostos que deixarão de ser pagos pela redução das vendas – e que garantem o salário do Brasil improdutivo, de procuradores e delegados.
Qual das duas estratégias seria mais benéfica para o país? A primeira, evidentemente.
No entanto, o pensamento monofásico que acomete o país, não apenas entre palpiteiros de rede social, mas entre delegados de polícia, procuradores da República, jornalistas imbecilizados é resumido na frase-padrão de Twitter: se você está criticando a Carne Fraca, então você é a favor de vender carne podre.
Podre se tornou a inteligência nacional quando perdeu o controle de duas corporações de Estado – MPF e PF – permitindo que fossem subjugadas pelo senso comum mais comezinho. E criou uma geração pusilânime de donos de veículos de mídia, incapazes de trazer um mínimo de racionalidade a essa barafunda, permitindo o desmonte do país pela incapacidade de afrontar o senso comum de seus leitores.
Veja bem, não se está falando de capacidade analítica de entender os jogos internacionais de poder, a geopolítica, o interesse nacional, as sutilezas dos sistemas de apoio às empresas nacionais. A questão em jogo é muito mais simples: é saber discernir entre uma operação discreta e outra que afeta a imagem do Brasil no comércio mundial.
No entanto, essa imbecilidade, de que a destruição das empresas brasileiras contaminadas pela corrupção, permitirá que viceje uma economia mais saudável, é recorrente nesse reino dos imbecis. E se descobre que a estultice da massa é compartilhada até por altos funcionários públicos, regiamente remunerados, que se vangloriam de cursos e mais cursos aqui e no exterior. O sujeito diz asneiras desse naipe com ar de sábio, reflexivo. E é saudado por um zurrar unânime da mídia.
Discuti muito com uma antiga amiga, quando mostrava os impactos dessas ações nos chamados interesses nacionais e via mão externa, e ela rebatia com conhecimento de causa: não são conspiradores, são primários.
Imbecil é o país que se desarma completamente, Judiciário, mídia, organizações que se jactam de ter Escolas de Magistratura, de Ministério Público, de Polícia Federal e o escambau, permitindo mergulhar na mais completa ignorância institucional.
Jornalista Luís Nassif
------------------------------------

Meu comentário: O que o Nassif afirma nesse brilhante artigo, é exatamente o que eu penso sobre esse assunto.

Tudo que está sendo feito para desbaratar essas quadrilhas que, como cupins, corroem o País, tem que ser feito, mas, sem precisar destruir setores importantes da economia do Brasil e causar tanto desgaste na comunidade internacional.


Jota Parente

segunda-feira, março 20, 2017

Reunião sobre violência mostra a força e a indignação de uma sociedade cansada de apanhar de bandido


A Associação Empresarial e Industrial de Itaituba (ASEII) e a Câmara de Dirigentes Lojista (CDL), tomaram a iniciativa de fazer uma grande reunião com quem quis participar, na Barraca de Eventos, no começo da noite de hoje.

O objetivo precípuo foi chamar atenção e discutir a violência que só faz aumentar no município de Itaituba, não é de hoje.
 
O assalto de sábado de manhã, no qual um empresário e sua família ficaram reféns de bandidos durante algumas horas apressou a convocação, pois ninguém tem mais segurança nesta cidade.

Um bom número de pessoas esteve no local, de diversos segmentos da sociedade.

Na ocasião, os vereadores Diego Mota e Peninha falaram, representando a Câmara Municipal.

Diego disse que a violência precisa ser encarada como um problema de todos, não, apenas de parte da sociedade.

Peninha falou que até pouco tempo, os bandidos eram presos pela parte da manhã, e à tarde já estavam soltos. Agora, disse ele, a polícia prende de manhã, e eles ganham liberdade de manhã mesmo.

O comandante do 15º BPM falou das dificuldades que a corporação enfrenta para combater o crime, que vão desde o número insuficientes de militares para atender à demanda de toda a região sudeste do Estado, até problemas por falta de uma melhor infraestrutura.

Já o delegado regional, Vicente Gomes, colocou-se se manifestou, colocando inclusive, seu telefone à disposição para que a população possa fazer denúncias. É o 99165 6065, ou 181, pelo qual podem ser feitas denúncias anônimas.

Foi citado que os deputados que representam o município em nível estadual, Hilton Aguiar e Eraldo Pimenta não estão conseguindo dar as respostas que a sociedade precisa para melhorar essa problemática da violência.
 
Fabrício Schuber, presidente da ASSEI, foi breve em suas palavras, deixando para o presidente Patrick Souza, da CDL, a fala final, que fechou a reunião.

Fabricio informou ao blog, há pouco, que conforme tratado na reunião de hoje à tarde, o comandante geral da Polícia Militar no Estado, coronel Roberto Campos, estará em Itaituba na próxima sexta-feira.

Já está agendada uma reunião com ele, com a participação de diversas entidades de Itaituba, incluindo os poderes constituídos, como a Câmara, para discutir essa questão da falta de segurança, que permite o avanço da violência.

Na sexta pela manhã haverá uma caminhada que começará na Travessa João Pessoa, que mobilizará a sociedade local, de modo particular a classe empresarial, estando acordo, que à medida que a caminhada for passando, as lojas estarão sendo fechadas em sinal de protesto pela violência, e para chamar atenção das autoridades da capital do Estado para a gravidade da situação.

E assim, a comunidade itaitubense dá um sinal de amadurecimento, deixando de esperar que a solução dos seus problemas surja por passes de mágica. Arregaça as mangas, e vai à luta.

Texto: Jota Parente
Fotos: WhatsApp

Sindicatos pedem apoio de vereadores sobre reposição salarial

Vereadores da comissão de finanças e orçamento e da comissão de Educação, Cultura, Saúde e Assistência Social, além dos secretários de Saúde, Iamax Prado, da Educação, Amilton Pinho e Ronny Freitas da Administração, reuniram com representantes do SINTEPP, SINDSAUDE, SIMSERMI e SENPA.
A reunião foi no gabinete da presidência da Câmara, sexta-feira (17) e o assunto tratado nesse encontro foi a campanha salarial do funcionalismo municipal.
Os sindicalistas solicitaram o apoio dos vereadores para essa luta, e receberam a garantia dos parlamentares de que assim que o projeto de lei sobre o reajuste salarial chegar à Câmara, ele terá prioridade na tramitação nas comissões para ser liberado para a votação no plenário.
Os vereadores, no entanto, foram claros ao afirmar que não podem interferir na negociação pois a prerrogativa de reajustar salários é competência exclusiva do Executivo.
Os representantes dos sindicatos também conseguiram do secretário de Administração, o compromisso de que será marcada outra reunião somente com os secretários para mais uma rodada de negociação. Só que esse encontro ainda não tem data marcada para acontecer e essa foi uma das reclamações dos trabalhadores, o governo estaria postergando um diálogo com os sindicatos.
Durante esse encontro, o representante do SINTEPP disse que até agora o sindicato não recebeu nenhuma contraproposta do governo, e isso vem preocupando a classe, porque na última campanha salarial da categoria a negociação só foi encerrado três meses após da data base do reajuste. O reajuste, lembrou ele, é um direito dos trabalhadores.
Itaituba tem, atualmente, quatro sindicatos que representam os servidores dos municípios, e as propostas de reajuste tem percentuais diferentes: Sindsaúde e SINSERMI reivindicam 12% de reposição, enquanto que o Sindicato dos Enfermeiros do Pará, subsecção de Itaituba, e o SINTEPP querem 16% de reajuste salarial.

Jornalista Weliton Lima

O Assunto é Este discutiu problemas da região

Sábado passado, o secretário municipal de meio ambiente, engenheiro Bruno Rolin, e o empresário Dirceu Frederico estiveram presentes participando do processo programa O Assunto é Este.

As dificuldades vividas atualmente esta região, algumas delas criadas pelo governo federal através de MPs que engessam a economia, o aceno do governo​ com a licitação de florestas públicas em Itaituba e BM Trairão foram alguns dos temas abordados.


Prefeitura de Itaituba terá que pagar R$ 38 milhões a trabalhadores da Educação. Não cabe mais recurso

"Não sei como o prefeito Valmir Climaco vai reagir, quando for informado que a prefeitura vai ter que pagar esse montante, pois não cabe mais recurso nenhum. É pagar e pagar".

Esse foi o desabafo de um assessor muito próximo do prefeito, que despacha estiver diariamente com ele, o qual pediu para ter seu nome não fosse revelado.

O blog apurou, que até o valor de 30 salários o juiz dá comarca local ao qual está afeto o processo poderá determinar o pagamento desse valor, essa determinação já é prerrogativa do Tribunal de Justiça do Estado do Pará.

É ma

Prefeito vai a Brasília para tratar de emendas e MPs

O prefeito Valmir Climaco viaja hoje para Brasília.

Na capital federal ele vai tratar com parlamentares dá bancada do Pará de emendas no orçamento da União.

Valmir tem agendado, também, a audiência com o relator dá Medida Provisória 758/2016, que aumenta em mais de 51 mil já a área do Parque Nacional do Jamanxim, inviabilizando a atividade garimpeira, porque a Reserva Garimpeira do Tapajós está dentro dessa nova configuração.

A empresa Brasauro também fica dentro desses limites estabelecidos pela MP 758.

O prefeito de Itaituba vai reforçar os argumentos já apresentados por lideranças políticas e empresariais que tem estado e em Brasília com frequência para discutir essa decisão de governo federal que sufoca NB de e vez a economia na de Itaituba e outros municípios desta região.

sábado, março 18, 2017

A revolta de quem sofreu com a violência de bandidos, dentro da própria casa. ValHA-nos quem?


Família foi feita refém na manhã de hoje, em Itaituba

Bandidos assaltantes
Pau e filho, que com o restante da
família viveram momentos de terror
Pelo menos uma hora de pânico. Foi assim que o empresário Antônio Adail Prado definiu os momentos que passou junto com a família em companhia dos bandidos. Ele diz que logo no início da manhã, havia chegado em casa quando os bandidos entraram logo em seguida.

Cinco pessoas estavam em casa, incluindo um filho menor e um neto do empresário. Mas o membro da família que sofreu maior pressão foi o filho mais velho. Os bandidos usaram uma pistola 380 para intimidar o rapaz.

Os bandidos exigiam dinheiro, ouro e joias. Por sorte, uma filha conseguiu se esconder e fazer uma ligação via celular, acionando a polícia, que chegou logo em seguida. A família chegou a ser tomada refém.

Apreendido com os bandidos
Foi necessário negociar com os bandidos, que foram convencidos a se entregar e liberar os reféns. Segundo o sargento Albertino Soares, que comandou uma das guarnições, a polícia ainda fez diligências, na tentativa de localizar possíveis colaboradores dos bandidos.

Um detalhe que chamou a atenção da 
polícia foi que, ao notar a chegada das guarnições ao local do assalto, um dos bandidos, identificado como Luciano Sousa Parente, de 25 anos, quebrou o próprio celular e escondeu o chip. Ele disse, na delegacia, que a intenção era proteger todos os seus contatos. Luciano foi apontado como quem comandou o assalto. Junto com ele, outras três pessoas foram apresentadas.

A casa onde tudo aconteceu
Francinaldo Ramos dos Santos, de 24 anos, o comparsa; Fernanda Luzinete Nunes Rocha, de 28, apontada com a pessoa que forneceu a moto para a dupla e um primo de Luciano, um adolescente de 14 anos. Na delegacia, o chefe do bando assumiu toda a culpa. Ele disse que estava monitorando a família e desconfiava que houvesse dinheiro na casa porque viu um filho do empresário saindo de uma compra de ouro. Os quatro acusados foram apresentados e foram ouvidos em depoimento pela Polícia Civil.

Segundo o delegado Conrado Wolfring, que preside o inquérito, Luciano e Francinaldo foram autuados em flagrante por assalto e também poderão responder por cárcere privado. A mulher, Luzinete Nunes, atua como coautora e o menor será submetido a procedimento especial conforme estabelece o Estatuto da Criança e do Adolescente.

Para o empresário, ficou o alívio de todos na família terem saído dessa situação sem nenhum dano físico, apenas abalo psicológico.

Fonte: Mauro Torres
Fotos: blog do Júnior Ribeiro


Os 50 anos de Luiz Gomes

Luiz Gomes da Silva, Luiz da Casa das Tintas, Luiz da LG. O mesmo Luiz, oo Luiz de sempre, pessoa simples e alegre, empresário, ex-árbitro de futebol e futsal, contador de piadas e antídoto contra o mau humor, chegou ao clube dos cinquentões com a alegria de sempre.

Dia 12 de março ele alcançou meio século de vida bem vivida, mas, foi ontem, 17, que foi realizada a festa no Espaço do Português.

Esteve cercado das pessoas que ama e que são a principal razão de sua existência, pela ordem, a família e os amigos.

Com ele, uma classe, os eletricistas, ganhou respeito e notoriedade com a celebração do Dia do Eletricista, comemorado todo dia 17 de outubro.

Atualmente, também, radialista, alegra os finais das tardes de sexta-feira, com o seu Forrozão Elétrico, nas ondas da Rádio Tapajoara.

De todos os depoimentos, o mais emocionante foi o do primogênito Andryo, que falou o que o coração sentia no momento, e encontrou as palavras certas para expressar todo o sentimento e a admiração que nutre pelo pai.

Andryo disse que nunca almejou ser famoso ou alçar voos maiores do que suas asas permitem. Quer, apenas, ser igual a seu pai.

Festa bonita, organizada por sua esposa e companheira de todas as horas, Célia Freitas, no Espaço do Português, na qual o bom gosto e a leveza foram a marca.

Parte da família veio de longe, do Ceará, para participar da festa.

Você merece, Luiz. Com perdão do trocadilho, a energia positiva que você irradia no seu dia a dia, foi a mesma energia que as pessoas levaram para sua festa de meio século de vida.

Quem aquiesceu ao convite para celebrar esse inesquecível momento, não o fez para se exibir com roupas e joias caras. Os amigos e os seus familiares que foram ao Espaço do Português, na noite de ontem, foram lá porque fizeram questão de lhe dar um abraço sincero e lhe desejar a continuação dessa existência, que contagia porque você é um homem bom e pelo bem que você faz a todos que tem oportunidade de conviver com você.

Parabéns, meu compadre, em meu nome, de sua comadre Marilene e de seu afilhado Parentinho.


E que venham muitos e muitos outros anos de vida.